terça-feira, 19 de abril de 2016

A VOZ DO ÍNDIO !

Ainda hoje se fala do povo indígena com preconceitos e esteriótipos ou de forma mitificada.
E aquela imagem do índio de séculos atrás ainda é usada para representá-los.

As crianças chegam das escolas com rostinhos pintados e cocar na cabeça.
Mas quando fui pensar em como explicar pra minha filha quem eram essas figuras representadas na escola, confesso que não sabia bem o que dizer.
A real é que não conhecemos o modo de vida contemporâneo dos índios.

Os índios da atualidade são "modernos" , vão da escola à universidade, usam roupas, e vivem sua cultura e suas tradições inseridos no contexto atual.

Tentando saber mais olha só o que a Coisas Lindas encontrou...



"Nossa grade de programação possui programas informativos e educativos que trazem para o público um pouco da realidade indígena do Brasil. Desfazendo antigos esteriótipos e preconceitos ocasionados pela falta de informação especializada em veículos de comunicação não indígenas."

Além da rádio com músicas, o site é cheio de conteúdo e informações. 
Tem um blog, colaboradores colunistas, projetos de educação, notícias internacionais, arte e cultura.
A sede fica no RJ mas a rede de comunicação é nacional.

Tem app pra ouvir a rádio no celular.



E pra acompanhar mais de perto tem também facebook:


Como você pode ver os indígenas já estão online, acompanhando os avanços tecnológicos e inseridos nas mídias sociais.
E nós...
... somos capazes de dar Boas Vindas !!

É certo que ainda existem povos indígenas que vivem em territórios isolados e mantém suas tradições e culturas inalterados.

Atualmente, no Brasil, segundo a FUNAI, temos cerca de 107 registros da presença de índios isolados em toda a Amazônia Legal.
Esses grupos são denominados "povos indígenas isolados" pois não tem (e não querem ter!!) nenhuma relação permanente com as sociedades nacionais, seja com não-índios, seja com outros povos indígenas.
Interesses diversos ameaçam os direitos dos indígenas de VIVER EM PAZ em seu território apesar de existirem Leis e Diretrizes Internacionais para garantir esse direito.

Cada um na sua, certo !!

De mente aberta recebemos os que se aproximam e, para os que se isolam no pouco espaço que lhes sobrou, RESPEITO !!






quarta-feira, 13 de abril de 2016

TATUAGEM POR UM MUNDO MELHOR - Basma Hameed


Vamos falar de como a TATUAGEM está ajudando a melhorar a vida de pessoas que passaram por maus bocados. 
Como?

Boa vontade e criatividade, afinal a gente não precisa ser um super-herói para mudar o mundo. 
Não precisa ser médico para curar uma pessoa. 
Não precisa ser psicólogo para ajudar alguém a se sentir melhor.




Exemplo disso é a iraquiana Basma Hameed.


Basma cresceu com a frustração de não ter corrigidas as marcas do acidente com óleo quente que sofreu aos dois anos de idade em que teve 40% do rosto queimado. Mesmo depois de cerca de 100 cirurgias reparadoras, somente após adulta, quando passou a se interessar por tatuagens, ela viu a oportunidade: ela mesma corrigiu sua sobrancelha com uma máquina de tatuar e, desde então, se especializou no trabalho de ajudar pessoas a ocultar marcas e imperfeições causadas por acidentes e traumas físicos. No caso dela, a tatuagem cobriu o tom avermelhado das cicatrizes com um tom mais próximo possível ao tom da pele.



Hoje, Basma é responsável por duas clínicas – uma estética e uma médica – ambas atuando no sentido de corrigir e esconder cicatrizes. O trabalho passou a ser reconhecido internacionalmente, e Basma é considerada uma “guru” no que faz. Centenas de pessoas ao redor do mundo já passaram pelas clínicas da artista, que já foi entrevistada sobre o trabalho que une medicina estética e arte por jornais e emissoras de tevê dos EUA, Canadá – onde funcionam as clínicas – e de outros países.


Depois de ter sua vida mudada através da tatuagem, agora ela se dedica a mudar a vida dos outros e garante: quando o cliente não tem condições de pagar pelo tratamento, ela faz o trabalho gratuitamente.

Você já deve ter ouvido falar do uso dessa arte para cobrir outros tipos de cicatrizes, cirúrgicas ou de acidentes.

Tem até aplicativo que sugere desenhos para cobrir as cicatrizes.
INKSPIRATION
(Por enquanto, o aplicativo está disponível para download apenas para celulares com iOS.)


É a tatuagem melhorando o mundo, deixando tudo mais bonito!

Pra finalizar, nossa mensagem de hoje fala de ARTE, AMOR, CRIATIVIDADE x PRECONCEITO.
 Acabamos de ver um exemplo de uma mulher de um país da comunidade árabe (que muita gente julga como terrorista só pelo fato de ter essa nacionalidade) que superou tanto sofrimento e criou algo pra seu próprio benefício e de tanta gente pelo mundo afora, usando uma TATUAGEM - arte/técnica que também ainda sofre preconceito nos dias de hoje. 
Tem gente até que fala que não é de Deus. 
Gente, se isso não é de Deus, Deus não existe....

Assuma seus preconceitos, observe, repense.
Depois corte fora e no lugar da cicatriz, tatue AMOR.







quarta-feira, 6 de abril de 2016

SÁBADO ABERTO - BAZAR COISAS LINDAS


Quem já conhece a Coisas Lindas, Bijoux e Cia sabe que a gente funciona 
de segunda a sexta das 10h as 18h.
E NÃO abre de sábado ???
 Ahhhhhhh   :(


Nossa loja é nossa paixão, amamos isso aqui e trabalhamos com o máximo de capricho pra disponibilizar um atendimento personalizado e ter produtos lindos e com bons preços. 
Dessa forma, muitos de nossos sábados são dedicados a pesquisa e ao garimpo !

Assim, atendendo a pedidos do pessoal que não pode estar conosco durante a semana 
e juntando 
nossa vontade enorme de ajudar quem precisa, 
criamos o projeto:

 SÁBADO ABERTO - BAZAR COISAS LINDAS 

Esse projeto visa atender as pessoas que não podem vir até a loja durante a semana e contempla um Parceiro, Projeto Social ou Causa Animal.

E pra quem já é cliente será uma oportunidade de aproveitar as promoções.

Os bazares acontecerão aqui mesmo na loja e serão oferecidos ótimos descontos, brindes e sorteios.
A data é fixa, todo segundo sábado do mês.

Acompanhe no Facebook e 
Confirme sua presença.
Capricho, Carinho e Bom atendimento são cortesias da casa !

Venha prestigiar !!
Por que, como canta Nando Reis, "as Coisas Lindas são mais Lindas quando você está..."


Rua Ipanema, 204
São Bernardo do Campo - SP
www.coisaslindas.com.br

WhatsApp: (11) 96326-7244  /  (11) 99915-8835
Instagram: @coisaslindas_bijouxecia






sexta-feira, 1 de abril de 2016

Primeiro de abril, deixa eu te contar uma mentira!

Deixamos nossa postagem da semana pra esta sexta-feira oportunamente, afinal hoje é primeiro de abril e vamos falar sobre a mentira.
MENTIRA!!!
Sim, mentira. Não deu tempo de escrever no começo da semana pois estávamos com mil outras atribuições e hoje pela manhã pensei em falar sobre esse assunto.
A mentira tá sempre rondando a gente, ela é danada, vacilou ela te pega. O pior é quando a gente mente pra gente mesmo, e ainda mais quando mentimos de maneira patológica.
É verdade, mentir pode ser uma doença, você sabia?
Chato né, mas tem tratamento e a pessoa que mente patológicamente precisa de ajuda e cuidados.
Segue um texto explicando um pouco mais sobre este assunto (peguei no site Guia da Semana) lí outras publicações mas achei que este explicou bem, além de dar dicas de como ajudar uma pessoa que você desconfia que pode estar passando por este problema.
Beijo e até mais!


MITOMANIA

O que é isso?
A mitomania foi originalmente conceituada em 1905, pelo médico e psiquiatra francês Ernest Dupré, sob a seguinte forma: "tendência patológica à fabulação consciente. As histórias imaginárias do mitômano são, às vezes, pobres de conteúdo, e inverossímeis, outras vezes, pitorescas, bem concatenadas, pelo que induzem à convicção" .
Quem nunca contou uma mentirinha? A própria cantora Rita Lee já assumiu que mente muito nas entrevistas. De qualquer forma, existem pessoas que levam a mentira tão a sério, que passam a vivenciar a história como se fosse verdadeira. Essas pessoas são os mitônamos.

Mas não confunda! Ter mitomania é diferente de ser um mentiroso compulsivo, que não consegue assumir a mentira por conta da fraca personalidade, como explica a psicóloga Rita Jardim. O mentiroso tem noção real do que está fazendo, mentindo para se livrar de algum problema.

Sintomas
? Insegurança, já que a própria realidade é sustentada de forma forjada.

? Dificuldade em tomar decisões e acreditar nelas.

? Falta de autoconfiança.

? Falta de credibilidade.

? Tendência à confusão mental.
"Os mitômanos são pessoas que gostam de contar histórias e acabam vivenciando as mesmas como se fossem realidade. Para a pessoa que ouve a princípio, não tem como descobrir. Mas depois de ouvir tanta mentira, acaba percebendo que as histórias não batem e diagnosticando o problema", completa.

Eles têm a característica de mentir sobre um assunto específico, como o perfil dos pais ou fatos determinados do passado. Essa é a forma que encontram para fugir da realidade dura que enfrentam em certo aspecto da vida. Já o mentiroso compulsivo, mente sobre qualquer coisa, sem motivo ou controle da situação.

O psiquiatra e chefe do serviço de saúde mental do Hospital Municipal Lourenço Jorge - RJ, Leonardo Gama Filho, explica que o quadro do mentiroso compulsivo costuma ser um sintoma associado à outra patologia mental. "Ele é um refém do comportamento de mentir, precisando fazê-lo sem limites para se sentir bem. Quando confrontado com a falsidade de suas afirmações, apresenta a capacidade de reconhecer a não-veracidade dela, porém, demonstra uma tendência compulsiva a repetir a mesma mentira ou a criar uma outra pouco tempo depois."

A psicóloga Denise Impastari explica que a pessoa com mitomania possui uma supervalorização de suas crenças em função da angústia profunda e problemas emocionais. A mentira é tida como verdadeira para manter um equilíbrio mais ou menos suficiente.

O problema pode ocorrer desde a infância, sendo difícil diagnosticar nessa fase, já que a criança tem o costume de mentir. Mesmo assim, ele pode permanecer durante a adolescência e a vida adulta. Entre os 10 e 13 anos de idade, o indivíduo desenvolve a saúde mental, equilibrando os mundos interno e externo, aprendendo a ter opiniões próprias e a se relacionar formalmente. Quando ocorre algum transtorno de personalidade, qualquer trauma ou complicação durante esse período, são desencadeados conceitos errados sobre si mesmo e a própria vida, causando a doença. 

"No fundo, a pessoa sabe que aquilo que está dizendo é uma mentira, mas, para ela, é uma mentira boa", explica a psicóloga Fabiana Frade. A especialista ressalta que o problema é desencadeado a partir de questões afetivas, como a falta de um companheiro ou dificuldades no relacionamento em família. Uma das principais causas da mitomania é, inclusive, a depressão associada à ansiedade, podendo evoluir até chegar a um suicídio, em casos graves.

tratamento deve ser realizado com psicólogo e psiquiatra, no entanto, a cura não é simples. O problema pode ser amenizado, mas não solucionado totalmente, estando sujeito a recaídas caso não haja a "manutenção" necessária com o profissional. Não há graus da doença, eles são medidos de acordo com os prejuízos que ela traz. Segundo Rita Jardim, existem mitômanos que não prejudicam ninguém além deles próprios. O psiquiatra poderá indicar medicamentos, que costumam incluir antidepressivos.

Participar da terapia junto com a pessoa envolvida é uma forma de amenizar a questão, uma vez que isso minimiza a solidão e desejo de morte, conseqüentes da doença.

Como lidar
? Se for colega de trabalho, por exemplo, cheque sempre as informações que ele passa. No relacionamento a dois, é preciso ter muita paciência para lidar com a situação.

? Mostre dados que comprovem a mentira.

? Nunca confronte um mitômano diretamente, pois ele não acredita que está mentindo. Falar para ele que está inventando coisas é um sofrimento muito grande.

? Aos primeiros sinais de que a mentira está fora de controle, encaminhe a pessoa para o médico.

? Compreenda quando ele delira. Quando descreve algo distorcido, significa que está apontando para uma ferida dolorida, onde não quer que ninguém encoste.

? Não diga diretamente para o mitômano buscar tratamento. Diga algo como "pensei em procurar um psicólogo para mim", para que a pessoa tenha a idéia, já que, no fundo, ela sabe que possui algum problema, apesar de não entendê-lo completamente.
O psicólogo especializado em antropologia Mauro Godoy conta que é preciso esclarecer, sem cobranças ou pressão, a razão pela qual a pessoa está mentindo, livrando-a de culpas e fazendo com que entenda até que ponto vale a pena continuar inventando histórias. Em seguida, é necessário transformar a vontade de mentir em alguma atividade produtiva, como no trabalho, por exemplo. "Essa pessoa, no mínimo, é criativa", completa.

Quando o problema é mentira compulsiva, a princípio o tratamento segue o mesmo. A diferença é que podem haver comprometimentos de formação, como a perversão, o que complica o quadro.


Quando a mentirinha passa a ser um problema? 

"Hoje em dia, como o marketing está na moda, é muito fácil encontrar pessoas mentindo sobre si mesmas ao preencherem um currículo, ao venderem coisas, ou até na hora de paquerar. Essas são consideradas atitudes mitomaníacas, mas o conceito de doença surge quando o comportamento gera problemas, esclarece Godoy. 


O grau da mitomania é sempre proporcional ao sofrimento que ela acarreta. O que ocorre é que a pessoa prefere conviver com um passado que nunca existiu para fugir dos problemas ou mascarar feridas sem tratá-las. Até onde isso pode levar só vai depender do autocontrole de cada um.

Não há como evitar. O que se deve fazer é dar atenção aos filhos e afeto, para que eles não venham a sofrer com esse e outros problemas decorrentes de carência. Uma "mentirinha" não chega a ser mitomania, mas se os pais percebem que a criança o faz com freqüência, devem procurar pelo psicólogo, para que a questão não se agrave.

O psiquiatra francês Dupré afirma que todas as crianças mentem naturalmente. Essa característica passa a ser doentia num número reduzido de casos, sendo que a mitomania costuma ter início na infância ou adolescência.

A mentira patológica é tida como sintoma freqüente em diversos transtornos, principalmente nos transtornos de personalidade narcisista, histriônica (excesso de emotividade e busca de atenção) e anti-social, segundo Gama Filho. A compulsão por mentiras pode se dar por razões patológicas, de personalidades problemáticas, ou pode ser causada em decorrência de uma neurose histriônica como a Síndrome de Munchhausen e de Ganser.