quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

PIED DE POULE OU PIED DE COQ ? QUAL CORRETO ??

O pied de poule é uma das padronagens mais clássicas do mundo da moda, além de ser atemporal e atravessar décadas mantendo-se sempre atual. Ou será o pied de coq que não sai de moda? Você também tem dúvida de quando é um ou outro?

Bem, como diria "Jessica Jones" (nossa heroína favorita no Net Flix) "comece pelo princípio"...

Criado no século 19, na França, era usado em peças invernais masculinas, até que Coco Chanel (pra variar, sempre ela!) descontextualizou e trouxe esse padrão para o vestuário feminino.
É um tecido trama, ou estampa considerado um tipo de xadrez, normalmente apresenta duas cores contrastantes, principalmente preto e branco e cujo formato lembra pegadas de galinha. Isso mesmo! Traduzindo do francês pied de poule (pronuncia-se: piê de pull) significa "pé de gainha".

Mas e o pied de coq?? O pied de coq é o "pé do galo", kkkk, traduzido do francês da mesma forma.

A regra pra não confundir os nomes é mais do que simples: 
pied-de-poule é o padrão pequeno pied-de-cóq é o padrão ampliado! 



Ah, e descobrimos que ainda tem mais um padrão parecido pra confundir! Em inglês é conhecido como Dog’s Tooth ou Hound’s Tooth e é associado aos dentes dos cachorros. Embora sejam tratadas como equivalentes, o pied de poule costuma ter uma forma característica mais assimétrica, enquanto o dog’s tooth apresenta-se mais na forma de cruz.





Enfim, independente dessa viagem fashionista pelos pés de galinhas e dentes de cachorro, o que importa é que essas estampas são sinônimos de elegância e classe.
Olha o chiquê!





E com um toque de Brasil, ainda dá pra inventar mais!
Aqui na loja, temos uma peça que brinca com essa estampa tão classuda.
No tecido dessa mochila foram adicionados "olhinhos de gato" nos "pés de galinha", e vejam só, um novo padrão apareceu...






Legal né? Eu prefiro gato, do que galinha! 


Um beijo e até a próxima.
Fabi =^.^=

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

MIÇANGAS - UM MUNDO PRA FAZER DE CONTAS!


Geladinhas, lisinhas e encantadoras, essas bolinhas de vidro coloridas pipocam entre mãos habilidosas desde a antiguidade. Elas provavelmente apareceram na Ásia Ocidental, na Região do Cáucaso, na Mesopotâmia e no Egito, em torno de 1350 anos antes de Cristo. 

No Egito teria funcionado a primeira fábrica de miçangas, patrocinada pelos faraós!

Tão contemporâneas quanto antigas elas aparecem nas principais manifestações estéticas e rituais de vários grupos indígenas; apreciadas por sua diversidade de cores, tamanhos, formas, brilho e durabilidade.

Tá, mas se elas são de "origem faraônica" como vieram parar nas mãos dos índios das  Américas?


Foi durante a colonização. 
Para os europeus as continhas de vidro não passavam de quinquilharias, mas eram vistas como preciosidades exóticas pelos diferentes povos indígenas. 
E assim, foram apropriadas por esses povos, desde os primeiros contatos com os viajantes.

Hoje elas estão por aí, na moda e no design.

Tecendo padrões e desenhando caminhos, entre os tempos... entre os mundos...

Nós aqui na "Coisas Lindas" adoramos acessórios confeccionados com miçangas, consideramos estas peças como verdadeiras jóias atemporais! 

E você, já conhecia a origem "faraônica" das miçangas? 
Legal né, e o interessante é que aquele brinco/colar/pulseira de miçangas além charmoso agora parece ainda mais "divo".

Beijos e até a próxima!
Fabi.




quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

É UMA PENA...


O assunto da nossa postagem de hoje é sério e importante!

Por sermos uma loja de achados, com produtos alternativos e artesanais, vira e mexe a gente ouve a seguinte pergunta: "Vocês tem brincos de pena?".

Então vamos falar sobre acessórios e objetos de decoração e artesanato feitos com penas de animais.

São lindos, claro.
Tem coisa mais linda que aquelas cores vibrantes de uma pena de arara???
Se você pensar um pouquinho verá que tem sim, a própria arara, com todas as suas peninhas, bem VIVA, voando!

Já no início dos anos 2000 o IBAMA declarou gerra contra o artesanato feito com subprodutos animais com a campanha "Não tire as penas da vida". A campanha é voltada para as festividades dos "Bois - Bumbás", com o intuito de inibir a comercialização dos próprios animais e seus subprodutos, incluindo carnes de caça e pesca.

Ah, mas e as penas de animais silvestres criados em cativeiros e dos considerados domésticos como pavões, faisões, gansos, galinhas, patos, etc?! Essas são "legais"?
Sim, são, mas geeeeeente, essas criaturas já são criadas e abatidas pra nos alimentar, será que precisamos delas também para nos adornar?
Não, não precisamos, definitivamente. Nem hoje, nem nunca, nem na praia nem no carnaval, nem em tempo e lugar algum...

Confesso, eu já comprei e já usei brincos de penas de faisão, ainda mais que adoooro um estilão folk... gostando, quem nunca? Mas não dá mais né? Como alguém disse por aí: "cada vez que subo um nível de consciência, sou expulsa de um paraíso". É bem nessas!

Bom, tudo isso pra dizer que nós NÃO trabalhamos com bijoux feitas com penas, e pra compensar preferimos homenagear nossos amigos alados com lindas imagens de pássaros em nossos produtos, e bijuterias com peninhas e asinhas de metal.

Essa é a nossa maneira de contribuir para a diminuição da comercialização de subprodutos animais como peles, olhos, dentes, penas e etc; uma prática cruel e horrorosa que não tem nada a ver com as nossas "Coisas Lindas"!

Boa semana e bom feriado!
Use a criatividade pra criar seu look de carnaval, dê asas a SUA imaginação e deixemos as asas dos bichos em paz...

Beijo e até a próxima :)
Fabi.